Menu

15 de Novembro, 2022

Análise. Será este o último adeus aos ‘agricultores’ da SIC?

Instagram

Daniel Oliveira apostou na sexta temporada do programa ‘Quem Quer Namorar Com o Agricultor?’ para fazer frente ao ‘Big Brother’, da TVI. O formato da SIC tem-se revelado um autêntico fiasco aos domingos à noite e nem aos finais de tarde se mantém competitivo. Será este o último adeus dos agricultores?

Desde que a SIC voltou a ser líder de audiências, talvez este mês de novembro seja o mais negro com a TVI a aproximar-se perigosamente. Além de uma quebra de competitividade geral de todas as novelas, a verdade é que a sexta temporada do ‘Quem Quer Namorar Com o Agricultor?’ é o maior erro da temporada televisiva que termina no final do ano. Porque é que este pode ser o fim dos agricultores?

Com pouco descanso entre as várias edições, o formato conduzido por Andreia Rodrigues atingiu o seu desgaste máximo e deixou de ser competitivo em qualquer horário em que vai para o ar. Aos domingos à noite, nunca venceu as galas do ‘Big Brother’ e chegou mesmo a perder para o ‘The Voice Portugal’, da RTP1. Na última semana, por exemplo, a edição semanal foi atirada para lá da meia noite e o programa bateu mesmo no fundo ao registar, no primeiro bloco, apenas cerca de 182 mil espectadores sintonizados, um mínimo histórico.

Além disso, também nas últimas semanas o formato que procura o amor entre agricultores e pretendentes perdeu igualmente competitividade nos finais de tarde. Tirando o líder ‘Preço Certo’ da equação, o reality-show da TVI assumiu definitivamente a segunda posição no horário, já sem dar hipóteses ao formato da SIC.

No fundo, é inegável que a sexta temporada do ‘Quem Quer Namorar Com o Agricultor?’ é a mais mal sucedida de sempre. Não porque a qualidade seja pior face às edições anteriores, mas porque o público está definitivamente cansado. O canal de Paço de Arco não deu descanso àquela que já foi uma galinha dos ovos de ouro e acabou por matá-lo. Dificilmente voltará ao ar nos próximos anos e, se voltar, será um profundo erro.

Categorias: Tags: