Opinião. ‘VivaVida’ é um coelho fora da cartola de Cristina

O novo programa das tardes de sábado da TVI é, assumidamente, uma criação de Cristina Ferreira. A estreia liderou audiências e foi o primeiro projeto da nova diretora de entretenimento e ficção a vencer sem a sua presença.

VivaVida
Daily Cristina/Instagram

‘VivaVida’ é o novo formato da TVI que junta Rúben Rua e Helena Coelho na apresentação. O programa não traz nada de novo, mas não deixa de ser diferente daquilo a que os canais generalistas têm habituado o público.

Dividida entre momentos descontraídos em estúdio e várias reportagens, a nova aposta do canal de Queluz de Baixo mostrou dinamismo e alegria entre apresentadores e entrevistados.

O cenário é agradável e uma boa mistura entre moderno e vintage, com toques que lhe dão algum requinte.

Além das boas reportagens e do bom cenário, há ainda que elogiar a estreante Helena Coelho. Era sobre ela que estava o foco e foram sobre ela que recaíram as maiores críticas nas redes sociais. Contudo, é impossível não elogiar uma estreia em que esteve segura, em que foi muitas vezes pertinente e não entrou em histerismos.

Por outro lado, Rúben Rua é o destaque pela negativa. O modelo esteve em constantes interrupções no discurso dos convidados e da própria colega. Se saber falar é uma virtude, saber ouvir é outra ainda maior.

Resumindo, Cristina Ferreira acertou no programa idealizado por si. ‘VivaVida’ não é só mais um, é um que se destaca entre vários.

%d bloggers like this: